Arquivo da categoria: Notícias

Notas de dinheiro estrangeiro para comprar franquias

Investimento com segurança: Franquias crescem e apresentam sucesso nos negócios

O setor de franquias apresentou um lucro de R$ 37,6 bilhões no segundo trimestre de 2017

Cada vez mais, o segmento de franquias está crescendo no país. Inovação, compartilhamento, modelo de negócios estruturado e crescimento coletivo são uns dos pontos que trazem muitas vantagens. E cada vez mais empreendedores interessados em investir no novo plano. De acordo com Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor faturou R$ 35,2 bilhões no segundo trimestre de 2016. Este ano, o faturamento chegou a R$ 37,6 bilhões, 6,8% a mais em relação ao mesmo período.

Os segmentos que mais registraram aumento na receita trimestral e impactaram no lucro das franquias foram:

  • hotelaria e turismo (crescimento de 10,1%)
  • saúde, beleza e bem-estar (9,4%)
  • casa e construção (8,6%)
  • entretenimento e lazer (7%)
  • comunicação, informática e eletrônicos (6,6%)

Mesmo em tempos de crise, os resultados indicam a qualidade do modelo para quem deseja iniciar ou expandir seu negócio.

Confira também esta especialista em franchising, que fala as franquias que são tendência para 2017:

De acordo com o diretor de Relacionamento e Mercado da ABF para a Agência Brasil, Cláudio Tieghi:

“O setor de franquias cresce apesar da dificuldade da crise e apresenta a capacidade do brasileiro de ser um empreendedor”

As vantagens estão na consolidação do negócio em relação a um investimento novo, que ainda não foi desenvolvido.  

O brasileiro empreende cada vez mais

“Se você pegar a série histórica, [a taxa de empreendedorismo] cresce ano a ano. Mostra uma tendência de aumento da propensão do brasileiro para se tornar empreendedor. Quando veio a crise no ano passado isso continuou, com uma coloração mais forte em termos de necessidade”, afirma. Segundo ele, o modelo de franquia tem vantagens e desvantagens. “A principal vantagem é que você recebe um negócio praticamente pronto. O risco tende a ser um pouco menor”, comenta.

Antes visto como uma aquisição de grande necessidade de capital, as franquias já apresentam investimentos menores e mais acessíveis para investir. As microfranquias avançam como alternativa, com investimento inicial pequeno, de até R$ 80 mil. A microfranquia apresenta como vantagem não apenas o baixo investimento, como também a possibilidade, em alguns casos, de trabalhar dentro de casa – diminuindo os custos de uma empresa com sede, necessidades de contratação e outros gastos. Pode ser aumentada, a partir dos ganhos, e também permitir outras microfranquias.

Segundo o diretor de Relacionamento e Mercado da ABF, Cláudio Tieghi, “a microfranquia é uma opção para pessoas com perfil técnico ou de gerente. Ela se equipara a uma oportunidade de substituição do emprego. Em vez de estar em uma empresa trabalhando, [o franqueado] pode desempenhar essas funções em casa. Ele pode também projetar e sair da realidade de microfranquia. Pode ter várias unidades no país ou migrar para uma franquia tradicional”, afirma.

Entrevista com Especialista em Franquias

Em entrevista ao Sebrae MS, o presidente do grupo Zaiom, Arthur Hipólito, falou sobre a importância de gerenciar o sistema de franquias para gerar lucros e também expandir o próprio negócio.

De acordo com ele, antes de mais nada, o empresário precisa se identificar com o negócio para um possível investimento, mas ao mesmo tempo, manter cautela em relação à demanda financeira exigida. “Ter uma identidade com o trabalho, depois avaliar o perfil do investimento que você vai ter que fazer, pois mesmo sendo um investimento pequeno é necessário ter uma reserva, uma forma de suportar os gastos”, explica.

Arthur Hipólito - Grupo Zaiom - Franquias Home-Based
Arthur Hipólito – Presidente do Grupo Zaiom

Entre vantagens e desvantagens, é sempre necessário frisar: como todo negócio, a microfranquia precisa de dedicação e disposição, já que a capacitação e o trabalho duro são essenciais para permitir que a empresa siga com lucros. “O que é mandatório na microfranquia é o total envolvimento da pessoa. Ela vai passar a fazer o trabalho em modalidade empreendedora. Muitas vezes nem tem funcionários ou tem poucos. A microfranquia é um negócio enxuto”, explica o diretor.

Investir em uma franquia por um sistema home-based, isto é, que você pode montar em casa, pode ser uma boa opção para quem quer começar um negócio. Investimentos de até 20 mil reais estão disponíveis para quem deseja uma opção barata de franqueamento, em áreas como viagem e turismo, limpeza e conservação, serviços gerais, saúde e bem-estar e alimentação. É importante, para o franqueado, a identificação com a área e com o tipo de negócio a ser investido.

Educação Empreendedora

O presidente Arthur Hipólito ressaltou ao Sebrae MS a necessidade do aprimoramento contínuo tanto para o empreendedor quanto para a empresa. “O pequeno empreendedor tem que ter a visão de que sua empresa é uma escola, se ele tiver essa visão ele vai para empresa com disposição pra aprender, melhorar suas falhas e crescer”, afirma.

Curiosidades sobre o setor de franquias

Economize na hora de reformar sua casa!

É possível economizar quando o assunto é material de construção, basta um bom planejamento

Construir ou reformar é um processo complicado, que requer planejamento, dinheiro e tempo. Muitas vezes mesmo com tudo planejado e calculado o orçamento estoura, e isso é recorrente, chega a ser algo normal do processo. Mas existem diversas formas eficientes para sair do aperto e economizar até o fim da obra, sem que isso comprometa totalmente o financeiro.

Tudo que for pensado para o obra deve ser colocado no papel, todas as medidas, instrumentos e materiais que serão utilizados e alterações pretendidas. Essa é a etapa de listar tudo o que deseja, desde os acabamentos desejados, a modelos de portas, por exemplo. O aconselhável é fazer tudo isso em conjunto com um arquiteto ou engenheiro, pois profissionais especializados podem ajudar num bom planejamento e na precisão da quantidade e qualidade dos materiais.

O orçamento deve ser bem calculado com uma estipulação de teto de despesas de acordo com a situação financeira. Por exemplo, o gasto máximo será de 20 mil reais, esse valor será a meta e o indicado é não se distanciar dele. O orçamento deve ser feito em cima desse montante, com os gastos setorizados, divididos em partes estruturais, como elétrica e hidráulica, acabamento, mão de obra e imprevistos.

Muita pesquisa deve ser feita na hora de adquirir os materiais, os valores devem ser comparados, assim como a qualidade do produto. Pois economizar não significa somente comprar produtos baratos, mas encontrar materiais de boa qualidade com bom preço. Não tenha pressa na hora de comprar os materiais, como já dito, o segredo é priorizar os bons produtos, escolher marcas confiáveis, observar o rendimento, validade, durabilidade do que será adquirido.

Negociar as compras presenciais é uma ótima forma de economizar, peça descontos e cortesias e em caso de promoções, coloque tudo na ponta do lápis e veja se vale mesmo a pena. E a partir do cronograma da obra, faça as compras dos materiais por etapas, pois assim facilita o armazenamento dos produtos, busca valores ainda melhores e evita gastos desnecessários.

Fazendo as compras aos poucos evita-se também o desperdício de material e de dinheiro. Por isso é importante calcular as quantidades ideais para o serviço, e nisso o mestre de obras ajuda muito, um bom profissional pode fazer uma lista de compras adequadas. E é bom lembrar que é indicado comprar cerca de 20% a mais de material, pois podem haver perdas, irregularidades nas peças e vários outros imprevistos.

Evite compras por impulso e estabeleça prioridades no processo de construção. Deixe os materiais de acabamento e decoração para a hora certa e foque nos materiais básicos como pedra, areia, cimento, etc. Não compre materiais que estão prestes a vencer, mesmo que sejam mais baratos, pois não se sabe ao certo quando ele será utilizado completamente.

E controle tudo o que for comprado, pois os gastos excessivos acontecem pela falta de atenção. É necessário anotar cada despesa durante a obra, guardar as notas fiscais e até utilizar aplicativos ou planilhas se isso ajudar a saber os custos.

O que é consultoria empresarial?

Em que momento a terceirização se faz necessária dentro de uma empresa? Entenda.

Não é segredo para nenhum empresário que uma boa gestão garante ao empreendimento uma estrutura sólida no mercado e diante das crises e adversidades que toda empresa passa. Contudo, também é essencial dar atenção à realização do serviço, atendimento aos clientes, qualidade do produto ou serviço, e outros fatores, que também garantem que a empresa continue ativa.

Mas é muito comum que os sócios, principalmente de empresas pequenas, se dediquem à administração do negócio e deixem todos os outros fatores de lado. Assim, o tempo fica curto para fazer tudo de maneira apropriada, caindo a produtividade e consequentemente os lucros. E uma das saídas encontradas para solucionar este problema é a terceirização, trabalhando com parceiros qualificados a empresa tem a oportunidade de acompanhar mais de perto as atividades, além de poder otimizar processos, e os empresários podem se dedicar a outros objetivos e atribuições.

Outros casos

O tema da terceirização abrange não só as empresas que optam por adotar essa modalidade de serviço para suprir demandas, há também as que baseiam seu negócio em serem terceirizados. É o caso das empresas especializadas na terceirização de alimentos, produtos e serviços, que suprem a demanda dos empreendimentos que optam por recorrer a essa modalidade. E mesmo esses negócios às vezes sentem a necessidade de se dedicaram a uma só atividade, é o caso da Mix Nutri, especializada em suplementos alimentares.

Inicialmente a empresa fazia a terceirização dos produtos, no entanto houve uma divisão e um outro empreendimento assumiu essa tarefa. É o que explica o diretor executivo Danilson Charro “A divisão dos negócios foi determinante para que a Área comercial pudesse dar foco para cada negócio de forma isolada, as tratativas e os entendimentos eram conflitantes”. Hoje é a fábrica de suplementos DR IND a responsável pelo setor de terceirização de alimentos.

Mas e os clientes, será que eles não podem ficar confusos com esse tipo de divisão? Danilson garante que não “O entendimento e a comunicação não faz transparecer essa leitura, a Mix Nutri é vista como uma empresa terceirizada que possui a qualidade da DR IND, empresa que contém vários cases de sucesso com empresas nacionais e internacionais”.

Essas são decisões que precisam ser tomadas com cautela e analisando bem o formato e as atividades que a empresa desempenha para que não sejam criados problemas para as empresas e seus funcionários.

Novas regras para desistência de imóveis

Governo estuda nova medida provisória que pode prejudicar o consumidor

Muitas vezes investir em um imóvel sem o devido planejamento se torna um peso no orçamento, ou mesmo problemas com a construtora faz com que o comprador desista da compra, e esse processo é conhecido como distrato de imóveis.

Todas as consequências da desistência na negociação de um imóvel devem ser definidas em um contrato, com cláusulas exclusivas para quem compra e para quem vende. Inúmeros são os motivos para que ocorra uma quebra de contrato, e a rescisão indica se o comprador perderá o montante e pagará multas contratuais ou se receberá os valores com direito a indenização.

A nova medida provisória apresentada pelo Governo cria regras para quando o comprador desiste de um imóvel na planta, ou em construção. E esse assunto tem levantado debates sobre o lado negativo dessa decisão, tanto entre os especialistas, como entre os consumidores, pois é uma medida que pode complicar a situação desses compradores.

A crise econômica fez com que o número de distratos crescesse no país, e por esse motivo os ministérios do Planejamento, da Fazenda, da Justiça e da Casa Civil decidiram discutir sobre esse tema. Segundo dados da Ademi-RJ (Associação de Dirigentes do Mercado Imobiliário do Rio), entre 2014 e 2016, ocorreram uma média de 137 mil quebras de contrato no Brasil. Muitos casos vão parar na justiça, pois na lei, se tratando de desistência, não há regras definidas quanto ao reembolso ao consumidor.

Atualmente o mutuário deve ter ciência sobre o valor de entrada estipulado no contrato, pois esse pode ser o mecanismo indenizatório na maioria dos casos, o que evita que as partes tenham que enfrentar a burocracia da Justiça para resolver o problema. Se o comprador desiste do imóvel por arrependimento ou furo no orçamento, as consequências podem variar desde a perda de parte ou totalidade dos valores pagos à multa.

No contrato deve estar presente o pagamento da multa, que varia entre 10% a 20% sobre o valor gasto até a data do distrato. Valores cobrados acima desse numero ou calculadas com base no preço do imóvel podem ser questionados na Justiça. Mas caso a desistência seja ocasionada pela empresa, o mutuário não precisa pagar a multa e ainda pode recorrer a uma indenização.

A medida provisória, discutida pelo Governo, pressupõe que haja uma punição mais rigorosa para o mutuário que desistir do contrato. Essa nova minuta propõe que seja retido até 50% dos valores pagos, ou seja, isso indica até 16% do valor do imóvel com o percentual de corretagem já incluso, no caso das unidades residenciais. Também está em discussão a permissão para que o incorporador devolva o dinheiro ao consumidor em um prazo de 180 dias ou até que imóvel seja vendido.

Existe uma lei específica para o tema tramitando no Congresso desde 2015, e vem sendo discutida para se adequar ao Código de Defesa do Consumidor. Essa medida provisória tende a barrar a construção da mesma e desconsidera a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça que considera abusiva retenções acima dos 25% do total pago pelo comprador.